sábado, 16 de setembro de 2017

Protegida de Maria


Um pobre lenhador não tinha mais como alimentar a sua filha. Sendo assim, ele a entrega a Maria, a Mãe Celestial.
Esta leva a criança ao Paraíso onde a trata com mimo. Ela se sente bem ao lado da Mãe Bondosa. Ao completar catorze anos, Maria viaja.
Por isso entrega a menina às chamadas para as trezes portas do Reino Celestial. Ela tem permissão de abrir doze portas, a décima terceira porta, no entanto, não pode ser destrancada em hipótese alguma.
Por trás de cada porta encontra-se um Apóstolo envolto em brilho. A menina, no entanto, não sossega até abrir a décima terceira porta.
Os anjos a alertam, mas ela não consegue resistir à curiosidade.
Encontra por trás dessa porta a Santíssima Trindade envolta pelo fogo e brilho. A menina fica admirada e toca o brilho com o dedo.
O dedo fica dourado. A menina fica aterrorizada, o seu coração quase explode. Ao retornar de sua viagem, Maria exige as treze chaves de volta.
Percebe que está o dedo dourado.
Maria pergunta três vezes a menina se abriu a décima terceira porta.
Esta, todavia, o nega, todas as vezes.
Desse modo, é expulsa do Céu.
De início, vive no meio da selva.
Um jovem príncipe encontra a então jovem mulher e casa-se com ela.
Mas ela não sabe falar. Dá à luz a três filhos.
A cada nascimento, a Virgem Maria aparece e pergunta se ela abriu a porta proibida. Ela continua negando.
Por conseguinte, Maria toma a criança e a leva para o Céu.
As pessoas em volta do rei julgam que a rainha seja uma bruxa, que engole os próprios filhos e a condena à morte na fogueira.
Quando a fogueira começa a tomar o corpo, ela grita: 
"Sim, eu o fiz"
O Céu se abre imediatamente.
Maria vem ao seu encontro, apaga a fogueira e lhe devolve os três filhos".



https://www.youtube.com/watch?v=LKcUqgx-KLg

sábado, 9 de setembro de 2017

Natividade de Maria Santíssima


Cantinho Mariano da minha Paróquia...










O nascimento de Maria Santíssima traz ao mundo o anuncio jubiloso de uma boa nova: a  Mãe do Salvador já está entre nós. Ele é o alvorecer prenunciativo de nossa salvação, o início  histórico da obra da Redenção.



sábado, 2 de setembro de 2017

Catecismo de Nossa Senhora (VIII)


A Igreja de Nossa Senhora Aparecida é chamada de Santuário Nacional porque é um lugar especial, onde Maria é venerada com particular devoção e recebe peregrinos de todo o Brasil. Esse título de Santuário Nacional lhe foi conferido em 12 de outubro de 1984 pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O título de Basílica lhe foi dado pelo Papa João Paulo II, em 4 de julho de 1980. Cabe ao Papa reconhecer a importância de uma igreja e chama-la de basílica.

Romarias ou peregrinações são caminhadas ou viagens de devotos a um santuário, onde eles se encontram com Deus, voltam transformados na fé e tornam-se atuantes em sua comunidade de origem. São símbolos da pessoa que passa por este mundo a caminho da Casa do Pai do Céu. Romarias ou peregrinações mostram em si mesmas um sentido comunitário, levando a uma vivência maior com os irmãos e irmãs na Igreja.

As promessas tem sentido especial se o devoto promete a Deus orações, gestos penitenciais, esmolas, peregrinações e se elas constituem manifestações de amor e de respeito da pessoa ao Pai que ama seus filhos e filhas, jamais os desamparando. As promessas são feitas ao Senhor, através de Nossa Senhora, pois ela é nossa grande intercessora. Antes de fazermos uma promessa, devemos refletir e examinar aquilo que prometemos, pois é um compromisso que assumimos  perante Deus.