sábado, 3 de março de 2012

A IMACULADA


Na Ladainha de Nossa Senhora, a Igreja nos lembra a Virgem puríssima, livre de qualquer mancha de pecado. 
Desde toda a eternidade ela estava nos planos de Deus, escolhida para ser neste mundo a mãe do verbo feito homem. 
Essa dignidade lhe valeu o privilégio de ser isenta da culpa original desde o primeiro momento da sua existência, pois Deus não poderia permitir que a alma de sua Mãe Santíssima conhecesse a mancha de qualquer imperfeição... 
Essa é uma verdade que a Igreja sempre viu na palavra dirigida a Nossa Senhora pelo anjo que a saudou como a cheia de graça, por excelência. 
Ela não o seria, se tivesse vindo ao mundo manchada com a falta original.
Mas não é somente esse privilégio que a Igreja nos  lembra ao invocá-la com a Virgem Puríssima. Esse título nos fala também da eminente santidade de uma alma que nunca ofendeu a Deus com uma falta, por insignificante que fosse.
Da nossa parte, o pecado é sempre uma revolta contra a vontade de Deus, que nós desprezamos, procurando satisfazer nossos gostos e caprichos. 
Isso nunca pode acontecer com aquela que, sendo a mãe de Deus humanado, soube viver sempre unida e submissa à vontade divina. 
Disso ela nos deu provas quando o anjo lhe anunciou que devia ser a Mãe do Redentor: Sou a escrava do Senhor; cumpra-se em mim a sua vontade. 
Para fazer essa vontade soberana de Deus ela não hesitou em fugir para o Egito, indo viver numa terra estranha e desconhecida para salvar a vida de seu Filho. 
Para fazer a Vontade de Deus, ela passou toda a sua vida em meio aos sacrifícios, lutas e privações. 
E foi também para fazer a Vontade de Deus que ela subiu ao Calvário, permanecendo junto a seu Filho, até que Ele  expirasse na cruz. 
Podemos, portanto, dizer que toda a vida de Nossa Senhora foi um contínuo ato de submissão à vontade divina. 
Seu único desejo era glorificar a Deus, cooperando com a sua vontade e dedicando nos planos divinos de redenção do mundo. 
E realizando sempre o que Deus queria, ela foi a Virgem Puríssima sem qualquer mancha, sem qualquer pecado.



0 comentários:

Postar um comentário